Envie agora seu recado!

200
caracter(es) restante(s)

Notícias

Por Enem, governo adia início do horário de verão para 18 de novembro

Horário terá 35 dias a menos do que em 2017 para 2018

04 de outubro de 2018 às 11:32
Por Enem, governo adia início do horário de verão para 18 de novembro
Por Enem, governo adia início do horário de verão para 18 de novembro | Foto: Mauro Schaefer
O Palácio do Planalto confirmou na noite desta quarta-feira que o horário de verão só terá início este ano à 0h do dia 18 de novembro, quando os relógios serão adiantados em uma hora. É a segunda mudança de data. A primeira foi por causa do segundo turno das eleições. Agora, a alteração atende ao Ministério da Educação (MEC), considerando a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nos dois primeiros domingos de novembro (4 e 11). Com o fim do horário de verão mantido para 16 de fevereiro (quando o relógio deverá ser atrasado em uma hora), o horário de verão 2018-2019 terá 91 dias de duração, 35 a menos do que em 2017-2018.
 
No ano passado, o governo Michel Temer chegou a cogitar acabar com a mudança, que atinge sobretudo o Sudeste. No dia 26 de setembro, o ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva, solicitou formalmente ao presidente Michel Temer que adiasse o início do horário de verão.
 
O MEC temia que candidatos pudessem perder o exame, caso ocorresse no mesmo dia da mudança dos relógios. Outra dificuldade seria a logística necessária para a aplicação da prova no Norte do País, onde alguns municípios ficariam com até três horas de atraso em relação ao horário de Brasília - que define início e término do exame.
 

 

 
Um decreto do dia 15 de dezembro do ano passado definiu o início do horário de verão para o primeiro domingo de novembro. Antes do decreto, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) havia solicitado que a mudança não coincidisse com o segundo turno das eleições deste ano, marcado para 28 de outubro.

A mudança normalmente ocorre em outubro. Só que isso levaria o segundo turno a ter apurações com horários diferentes em alguns Estados que não adotam a medida. 

Fonte: Correio do Povo