Envie agora seu recado!

200
caracter(es) restante(s)

Notícias

Inicia maturação do trigo no Rio Grande do Sul
06 de outubro de 2018 às 08:33
Inicia maturação do trigo no Rio Grande do Sul
Foto Divulgação
Com 88% das lavouras de trigo no Rio Grande do Sul entre as fases final de enchimento de grãos e início da maturação, os triticultores estão preocupados com a persistência do tempo úmido e quente prevista para as próximas semanas. A se concretizar esse cenário, mais que a quantidade, a qualidade final do grão poderá sofrer sérios danos, resultando em um produto final de baixo valor. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (04/10), apesar da recente ocorrência de chuvas intensas, acompanhadas de granizo e ventos fortes, a situação da cultura ainda é considerada boa, com o potencial de produtividade se mantendo estável, ao redor dos três mil quilos de trigo por hectare.
 
Também evolui para a fase de enchimento de grãos a cevada, que apresenta boa formação de espigas e grãos. O clima úmido do período favoreceu o desenvolvimento de doenças fúngicas, principalmente manchas foliares, determinando que os produtores realizem tratos culturais, visando proteger as espigas da cevada e preservar a qualidade dos grãos a serem colhidos. As lavouras mantêm bom stand a campo, prospectando boa qualidade industrial (cervejeira).
 
A canola está finalizando a fase de enchimento de grãos basicamente no Planalto Médio, e em maturação e colheita no Noroeste, com 33% da área estimada da região (12,5 mil ha) já colhida. As áreas da cultura que estão evoluindo para o estádio de maturação apresentam desuniformidade entre plantas.
 
Milho – A alta umidade no solo prejudicou a evolução do plantio, que avançou pouco e no momento atinge 47% da área prevista para a safra. As lavouras recém plantadas apresentam boa emergência e desenvolvimento inicial adequado, com poucas necessitando controle em relação ao ataque de lagartas. Nas semeadas há mais tempo, segue aplicação de adubação nitrogenada em cobertura e de herbicidas para controle de invasoras.
 
Feijão 1ª Safra – Produtores continuam implantando as lavouras em todo o Estado, já alcançando cerca de 52% da área prevista. A fase é de germinação e desenvolvimento vegetativo. Os agricultores também já estão realizando a adubação nitrogenada em cobertura nas primeiras lavouras semeadas. Até o momento, há pouca presença de pragas e doenças, não sendo necessários tratamentos fitossanitários nas lavouras. Na região Centro-Serra, as lavouras semeadas apresentam boa germinação e emergência, além de ótimo estande de plantas.
 
FRUTÍCOLAS
Citros - Apesar das chuvas frequentes na região do Vale do Caí, os períodos de tempo bom têm permitido que os citricultores realizem a colheita das últimas frutas dos pomares cítricos. Em relação às bergamoteiras, está no final a colheita da Montenegrina, cultivar com maior área de cultivo e produção tanto no Vale do Caí quanto no RS. A safra de bergamotas foi de muito boa qualidade, com frutas suculentas, casca lisa e pouca incidência da pinta-preta, principal doença das bergamoteiras. Já entre as laranjas, ainda está em colheita a cultivar Valência, de colheita mais tardia. A Valência é a fruta cítrica com maior área de cultivo no Estado e se destina à elaboração de suco, tanto na indústria como nos lares, bares e restaurantes.
 
CRIAÇÕES
Bovinocultura de leite - A produção de leite tem apresentado crescimento em decorrência da maior oferta de forragem, pois a produção de azevém está na sua fase mais favorável. O clima do início da semana passada proporcionou um quadro bastante positivo para as pastagens de inverno, porém, a grande quantidade de precipitações no final de semana fez com que os animais fossem retirados das pastagens para não haver muito pisoteio. Os produtores com bom planejamento apresentam resultados muito satisfatórios em relação à produção de leite, fator que, aliado ao aumento do preço pago, gera um ótimo momento para o setor.

Apicultura - Os enxames já mostram bastante atividade e os produtores estão colocando melgueiras e cera nova nos ninhos. No entanto, o excesso de dias chuvosos na região Sul e Campanha prejudica o trabalho das abelhas. Apesar disso, tem início o caça-enxame, manejo no qual os produtores distribuem as armadilhas para recuperar enxames e aumentar o número de colmeias. Esse período exige atenção ao manejo da colmeia, visando o direcionamento para a produção. O manejo de caixilhos e a renovação de quadros são importantes para garantir colmeia forte e ganhos de produção para o próximo ciclo. A expectativa de produção é de 15 a 25 quilos por colmeia. 

Fonte: Adriane Bertoglio Rodrigues / Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar