Envie agora seu recado!

200
caracter(es) restante(s)

Notícias

Economia gaúcha deve crescer 2,4% em 2019, projeta Fiergs

Entidade estima crescimento de 4,7% na indústria do RS até setembro de 2019. Balanço e expectativa para o ano que vem foram apresentados nesta terça-feira (4)

05 de dezembro de 2018 às 10:17
Economia gaúcha deve crescer 2,4% em 2019, projeta Fiergs
Reprodução Internet

A economia do Rio Grande do Sul deve crescer 2,4% em 2019. A projeção é da Federação das Indústrias do Estado (Fiergs), que apresentou nesta terça-feira (4) o balanço do ano e a expectativa para o ano que vem.

Até setembro, a indústria gaúcha cresceu 4,7%. Em um ano com greve dos caminhoneiros, crise nas contas públicas e queda na produção agrícola, o percentual acima da média nacional é considerado positivo.

"A economia deu uma melhorada em cima do ânimo das pessoas que estão aí, ou seja, investidores que estavam pensando se investiriam ou não", avalia o presidente da Fiergs, Gilberto Petry. "Entendem que tem uma melhora no cenário nacional, uma perspectiva, e com isso começam a dar sinais de que vão fazer investimentos. Se isto houver, obviamente a economia decola", acrescenta.

É nesse ritmo que uma indústria de serras para corte de metais deve começar 2019. Com sede em Caxias do Sul, na Serra, a empresa opera abaixo da capacidade. No ano que vem, deve crescer 30% e voltar a contratar.

"Baixando o juro, nós vamos ter um crescimento além do que nós esperamos. Se fala num crescimento de 2,5%. Eu acredito que o PIB de 2019 vai ser maior do que o que os economistas estão falando", arrisca o diretor-presidente da empresa, Paulo Spanholi.

Mesmo com a retomada da confiança, o desafio ainda é grande. Para o economista-chefe da Fiergs, André Nunes, ainda é cedo para comemorar.

"A gente não diz que é tão otimista. Temos que ver que em 2018, está 4,5% abaixo do que tinha lá em 2014. Então, a gente está somente escalando o fundo do poço. A gente ainda está dentro do poço e começou a escalar esse fundo do poço. O desafio mesmo vai ser, depois que tirar esse atraso dos 4,5%, continuar crescendo. Aí sim vai ser otimista, quando puder dizer que pagou a conta da crise e está acelerando o crescimento", observa.

Na opinião dos empresários da indústria, a carga tributária elevada pode comprometer a recuperação da economia do estado. Por isso, nesta quarta-feira (5), representantes da Fiergs devem se encontrar com a equipe do governador eleito Eduardo Leite para discutir o projeto que mantém elevadas as alíquotas de ICMS. A intenção da entidade é que a medida não ultrapasse dois anos de vigência

"Nós queremos ter uma perspectiva de que isso vai melhorar e que ao fim de dois anos volte a coisa ao estado anterior", finaliza Petry. 

Fonte: G1 - RS