Envie agora seu recado!

200
caracter(es) restante(s)

Notícias

Paulo Guedes deve apresentar proposta de reforma da Previdência até o dia 7
03 de janeiro de 2019 às 15:27
Paulo Guedes deve apresentar proposta de reforma da Previdência até o dia 7
Equipe tem admitido possibilidades sobre o aproveitamento de itens do texto levado ao Legislativo pelo governo Temer (Foto: Valter Campanato)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vai apresentar até a próxima segunda-feira a proposta de reforma da Previdência que deverá ser sugerida pelo governo do presidente Jair Bolsonaro e submetida ao Congresso Nacional. A disposição é que os parlamentares analisem o texto assim que retornarem do recesso em fevereiro. A informação foi confirmada pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, logo depois da primeira reunião ministerial da gestão Bolsonaro com a presença de todo primeiro escalão.

"(Paulo) Guedes vai apresentar a proposta até o início da próxima semana. Nós vamos fazer a reforma." A equipe do governo tem admitido diversas possibilidades sobre o tema, inclusive o aproveitamento de itens do texto que havia sido submetido ao Legislativo pelo ex-presidente Michel Temer. O esforço, segundo ministros de Bolsonaro, é para que as mudanças na legislação avancem.

Nova reunião
Na próxima terça-feira há uma nova reunião do presidente da República com os ministros. Nela, será feita a apresentação do texto da reforma da Previdência e cada ministro vai expor as medidas que pretendem adotar este mês. O encontro, que ocorrerá no mesmo horário da reunião realizada hoje (9h), vai se repetir semanalmente ao longo dos 100 primeiros dias de governo.
 
Cautela
A relação do Executivo com o Legislativo é tratada com cautela pelo governo. Onyx reiterou que Bolsonaro não vai interferir na campanha pela presidência da Câmara e do Senado. A decisão é justamente para suavizar as negociações entre os dois Poderes. "Todo o governo com alto grau de intervenção (nas questões do comando do Congresso) erraram. O presidente Bolsonaro é um homem de muito diálogo", afirmou.
 

Fonte: Correio do Povo