Envie agora seu recado!

200
caracter(es) restante(s)

Notícias

Preço da soja cai 20% em um ano no RS, aponta Emater

Queda do valor pago pela saca do grão preocupa produtores, que lotam os estoques. Produção em 2019 deve passar de 18,5 milhões de toneladas no estado

11 de maio de 2019 às 09:09
Preço da soja cai 20% em um ano no RS, aponta Emater
Próximo ao fim da colheita, valor de venda da soja preocupa produtores do RS (Foto: Reprodução | Internet)

O preço pago pela saca de soja no Rio Grande do Sul caiu 20% em 2019 na comparação com o ano passado, segundo a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater). Somente na última semana, a diferença no valor chegou a quase R$ 5. A saca de 60 kg, que chegou a ser vendida a R$ 81,37, foi cotada a R$ 64,46.

O gerente regional adjunto da Emater José Vanderlei Waschburger aponta os motivos da desvalorização.

"Principalmente a redução do rebanho de suínos da China em função da peste suína reduziu um pouco a demanda, e também aliada a outros fatores, como a expectativa de área maior nos Estados Unidos, uma produção que se inicia e se prevê uma produção boa também na Argentina, que é o terceiro maior produtor mundial", enumera.

A queda no preço do grão preocupa produtores. Com a colheita chegando ao fim no estado, muitos estão com os estoques lotados. Uma cooperativa de Três Passos, no Noroeste, ainda tem 70% da safra armazenada.

"Ainda está segurando, ainda está esperando preço. A gente não vê muito boas perspectivas em questão de preço, mas é uma opção do produtor", explica o presidente de cooperativa, Gelson Bridi.

A produção em 2019 deve passar de 18,5 milhões de toneladas no estado. O volume até agrada, mas o cenário não deixa produtores confiantes para vender o grão.

"Lógico que o agricultor fica retraído, fica com pé atrás, como se diz, porque a soja baixando de valor, e comprando equipamento, comprando tecnologia, você em cima disso, vai pagar juros, vai ter desgaste dos equipamentos. Então, lógico, o produtor fica com o pé atrás por causa disso", afirma o agricultor Erhardt Hepp.

Os grãos parados também trazem reflexo para o comércio. O empresário José Maurício Freling, que trabalha com máquinas e implementos, alega que as negociações e as vendas já caíram.

"O cliente agora, com essa queda no preço da soja, tira o pé do acelerador como eu digo, ele fica aguardando o preço melhor para poder faturar. Isso a gente sente muito. Nossos negócios baseados em soja caíram 60%, inclusive, por causa do preço da soja que vem caindo", observa o empresário.

 

Fonte: G1-RS